Wednesday 13th of December 2017

logo

Home Artigos Trabalho
Trabalho
DIPLOMA DEIXA DE SER GARANTIA de bom emprego PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Ter, 24 de Novembro de 2009 17:56

Por muito tempo um diploma na mão era sinônimo de se conseguir um bom emprego. Mas os tempos mudaram, e ter uma formação profissional já não é garantia de obtenção da tão sonhada vaga. De uma maneira geral, o diploma, atualmente, mal garante uma colocação. Daí a necessidade cada vez maior de as pessoas buscarem uma melhor qualificação como forma de progredir profissionalmente. O tempo do generalista acabou.

Para o especialista em recursos humanos Jorge Dias Souza, “um generalista é alguém que sabe um pouco de tudo, de nada”:

– Você não pode mais ser um generalista. Tem que ser um multiespecialista, agregando diariamente novos conhecimentos à sua atividade. Você poderá descansar, mas não muito, senão o seu concorrente ficará melhor preparado para te engolir e fazer você virar pó – ele diz.

Segundo o especialista e autor do livro As chefias avassaladoras, é necessário que as pessoas procurem constantemente turbinar suas carreiras com o conhecimento de novas tecnologias, determinação e comprometimento.

Última atualização em Qua, 28 de Abril de 2010 11:55
Leia mais...
 
REDES SOCIAIS GARIMPAM TALENTOS PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Ter, 24 de Novembro de 2009 17:52


Sites de relacionamento como Orkut, Facebook e Twitter ganharam uma nova função: a de servirem como ferramentas de pré-seleção para a contratação de profissionais. Muito utilizado nos Estados Unidos e em países da Europa, o sistema populariza-se junto a empresas e consultorias de recursos humanos no Brasil, que analisam ali o perfil dos possíveis candidatos a uma vaga. Embora o processo não elimine entrevistas e análises de currículos, fica mais fácil avaliar se o candidato possui o perfil para o emprego.


Por isso, é importante ter o máximo de cuidado ao colocar mensagens e fotos nas páginas de relacionamento. Afinal, através delas as empresas podem ter uma ideia do comportamento do postulante ao cargo. Segundo Adriana Néglia, consultora de carreira da Career Center, existem regras que podem contribuir em uma pré-seleção.

– Seja no Orkut, Linkedin ou Facebook, é fundamental que a pessoa tenha o mesmo tipo de comportamento que teria em uma entrevista. Fotos onde apareça bebendo, comentários preconceituosos ou erros de português podem contribuir de maneira negativa durante o processo de avaliação – explica.

Uma pesquisa realizada em empresas instaladas no Brasil mostrou que 72% delas planejam investir mais no recrutamento por meio destas redes. Outro dado é que 68% das companhias já utilizam as redes para selecionar os candidatos. O levantamento revelou ainda que o Linkedin e o Facebook são os mais consultados pelas organizações. Por conta disso, as consultorias têm investido em pessoas especializadas em buscar novos talentos, são os headhunters .

Última atualização em Qua, 28 de Abril de 2010 11:55
Leia mais...
 
Google e a qualidade de vida no trabalho PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Seg, 16 de Novembro de 2009 22:41

Na Google pagam-lhes para viverem e trabalharem assim

Noticias24.- Ángel Jiménez de Luis, editor do Gadgetoblog do Diario El Mundo, visitou os escritórios da Google em Zurich (Suíça) e regressou com uma série de fotos que despertam a maior inveja das invejas.

O tobogan liga a zona de escritórios do primeiro piso com a cafetaria e o ginásio. Para descer para comer não tem que esperar pelo elevador. Aos recém-chegados a praxe é que eles desçam pelo tobogan para apresentá-los. Têm que usar, também, um ridículo sombrero de cores durante algumas horas.

Última atualização em Seg, 16 de Novembro de 2009 22:54
Leia mais...
 
Por que os franceses estão se matando? PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Sex, 06 de Novembro de 2009 00:49

 

Onda de suicídios entre funcionários da France Télécom faz o país se perguntar o que pode estar errado com o seu modo de vida


Juliana Cavaçana

 

Jean-Pierre Clatot/AFP
INDIGNAÇÃO CO LETIVA
Funcionários da France Télécom protestam na entrada do prédio: "O sofrimento é uma realidade"

 

 

Última atualização em Sex, 06 de Novembro de 2009 00:57
Leia mais...
 
EMPREGABILIDADE E A REALIDADE DO MUNDO SEM EMPREGOS PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Ter, 29 de Setembro de 2009 17:46


MUDANÇA NAS FORMAS DE TRABALHO

Além de buscar informações e orientação para escolher corretamente uma Profissão, é importante também que o jovem seja situado na realidade atual e futura do emprego, conhecendo as características do Mercado de Trabalho e as qualificações exigidas por este.

Ao longo dos tempos, as formas de trabalho vêm mudando significativamente. Nos primórdios da existência, o homem vivia basicamente da caça e da pesca, evoluindo depois para agricultura e comércio. Com a Revolução Industrial, as máquinas começaram a substituir o trabalho manual, executado pelo homem. Hoje, com a informatização, novas formas de trabalho surgiram e, novamente, o ser humano precisa se adaptar às mudanças. Imagine quantas pessoas já passaram por processos de desemprego, por não saberem utilizar máquinas ou não terem dom para o comércio ou para a agricultura.

A velocidade com que os computadores processam as informações e as maravilhas da tecnologia da informação, ao mesmo tempo que criam formas inovadoras de comércio e comunicação, querendo ou não, contribuem para o aumento do desemprego, que recebeu até a denominação de Desemprego Tecnológico. Por exemplo, com a informatização dos processos a quantidade de funcionários necessários ao desempenho das atividades fatalmente diminui, e os que permanecem precisam ser treinados para executar funções diferentes das de antes.

Última atualização em Seg, 23 de Novembro de 2009 16:35
Leia mais...
 
ENTREVISTA: Domenico de Masi PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Qua, 23 de Setembro de 2009 15:32


Você já imaginou fazer apenas o que gosta a vida inteira? Mas e daí, viveria do quê? Sonhos? Se imaginarmos o trabalho como um fardo, a situação realmente parece impossível. Mas e se o trabalho, o lazer e o estudo começassem a se misturar em nossas vidas de tal forma que não desse mais para diferenciar uma coisa da outra? 
 
Esta é a proposta de Domenico de Masi, sociólogo italiano da Universidade La Sapienza, de Roma, e presidente da Escola de Especialização em Ciências Organizativas, a S3 Studium. Ele defende a idéia que é chegado o momento de cultivarmos o ócio criativo para uma nova era. Utopia? Não. Cada vez mais pessoas e empresas aderem aos seus conceitos e passam a ter vidas mais felizes e produtivas. 
 
A produção desta entrevista ocorreu dentro do conceito de teletrabalho e envolveu pessoas comprometidas com esta idéia. Luiz Carlos Pires, jornalista e antropólogo, coordenou a equipe formada por Sonia Grisolia, Manoel Fernandes Neto e Mario Persona. A tradução é de Cristina Fioretti.  
 
Pergunta: Quais foram os ganhos tangíveis e os que continuam intangíveis na revolução virtual do trabalho e no tempo livre, observados no XV Seminário de Ravello, onde o senhor foi um dos organizadores ? 
 
Domenico De Masi: Os ganhos tangíveis consistem no fato de que se consegue produzir mais bens e serviços com menor esforço físico e menos stress intelectual. Os ganhos intangíveis estão na possibilidade de se usufruir, em tempo real, de uma rede de interlocutores, de amigos, de colaboradores. 
 
Pergunta: Reunidos no Japão na mesma época do Seminário, os sete países mais ricos do mundo acharam que para a nova economia ser implantada em todo o planeta os ricos precisariam dar Internet para os pobres. Como os filósofos em Ravello viram isto ? 
 
Domenico De Masi: De espontânea vontade os ricos nunca darão nada aos pobres. É necessário que os pobres saibam defender os seus direitos e obter as próprias vantagens. Em todos estes anos nos quais o G7 se reuniu, na América o número de presos dobrou e em todo o mundo aumentou a distância entre ricos e pobres. 
 
Pergunta: Na Widebiz, na Nova-e e na wwwWriters, empresas virtuais, o teletrabalho faz parte dos seus cotidianos, onde se mistura prazer, estudo e trabalho, mas também se sente culpa pela liberdade, o que nos leva a trabalhar mais e, às vezes, não sabemos se estamos trabalhando por culpa ou diversão. O aprendizado do ócio criativo passa por esta etapa em que não percebemos que estamos transformando o paraíso num inferno ? 
 
Domenico De Masi: O ócio criativo é uma arte que se aprende e se aperfeiçoa com o tempo e com o exercício. Existe uma alienação por excesso de trabalho pós-industrial e de ócio criativo, assim como existia uma alienação por excesso de exploração pelo trabalho industrial. É necessário aprender que o trabalho não é tudo na vida e que existem outros grandes valores: o estudo para produzir saber; a diversão para produzir alegria; o sexo para produzir prazer; a família para produzir solidariedade, etc. 
 
Pergunta: Hoje na Internet percebemos, por um lado, os poderosos de sempre tentando cercear e organizar o caos, e por outro, os "criativos" inventando soluções que pulam estas barreiras, como os programas Napster e o Gutnella. A sociedade criativa sobre a qual o senhor fala estaria nascendo aqui e como se distribuiria nela o poder ? 
 
Domenico De Masi: Na sociedade industrial a maioria das funções de trabalho exigia pouquíssimas aptidões profissionais. Mesmo um macaco poderia trabalhar na linha de montagem. Na sociedade pós-industrial a maioria das funções de trabalho exige notáveis aptidões intelectuais. Disso deriva o perigo de um superpoder das classes profissionais, de uma ditadura dos clérigos sobre os leigos. 
 
Pergunta: O senhor acha que as novas empresas ponto-com já administram seus recursos humanos de forma inovadora? 
 
Domenico De Masi: Os call-center são linhas de montagem muito parecidas com aquelas com as quais a Ford construía o velho Modelo T. As empresas pós-industriais ponto-com administram os recursos humanos como se fossem velhas empresas industriais. Ainda ninguém inaugurou modelos organizacionais baseados na motivação (no lugar do controle), na desestruturação do tempo e do espaço, na redução do horário de trabalho, na perfeita igualdade entre homens e mulheres. 
 
Pergunta: O senhor vê o teletrabalho que algumas empresas já adotam como a forma correta de motivar, bastando para isso estar longe da empresa no mundo real para ser mais criativo? O que é, na sua opinião, um modelo de relação de trabalho ideal? 
 
Domenico De Masi: O teletrabalho serve para economizar tempo, dinheiro e stress. Sozinho, não assegura nenhuma criatividade. Uma relação de trabalho ideal permite aos trabalhadores não apenas ganhar dinheiro, mas também de satisfazer as necessidades de introspecção, amizade, amor, diversão, beleza e convivência. 
 
Pergunta: O senhor enxerga a instituição do trabalho como a conhecemos hoje como inadequada. Suas idéias não poderiam vir a se tornar em uma nova instituição, sujeita também ao envelhecimento? 
 
Domenico De Masi: Todas as idéias estão sujeitas ao envelhecimento. Esta é a lei do progresso. 
 
Pergunta: Idéias são importantes, porém colocá-las em prática são sempre um desafio. O senhor acredita que suas idéias devam ser colocadas em prática, ou seriam elas apenas uma previsão do que acontecerá naturalmente ? 
 
Domenico De Masi: Nenhum progresso acontece automaticamente. É necessário criar um movimento de opinião e depois um grupo de luta para colocar em prática as idéias inovadoras. 
 
Pergunta: Toda a economia convencional está baseada na forma como trabalhamos hoje. Não haveria uma mudança drástica na economia caso suas idéias fossem postas em prática, ou será que seria necessário primeiro uma mudança na economia para criar o ambiente propício à concretização de suas idéias? 
 
Domenico De Masii: As mudanças estruturais e aquelas culturais se influenciam entre si. Eu espero que a difusão de minhas idéias consiga criar um grupo crítico de pessoas dispostas a mudar realmente o seu modelo de vida e lutar para conquistar a felicidade. 
 
Pergunta: O senhor poderia dar um exemplo de algum país ou empresas que já estejam aplicando suas idéias, ou parte delas, com resultados positivos e que possamos identificar? 
 
Domenico De Masi: Em todo o mundo começa a haver pessoas ou grupos ou empresas ou cidades que impõem os seus modelo de vida sobre bases completamente novas. No Brasil é suficiente ver o caso de Ricardo Semler em São Paulo, o caso de Lerner em Curitiba, o caso de Oscar Niemeyer no Rio. 
 
Pergunta: Muitas pessoas simpatizam com suas idéias. Estariam elas apenas concordando com sua natureza abstrata porque não gostariam de mudar tanto ? 
 
Domenico De Masi: A maioria das pessoas que concorda com as minhas idéias sente uma real necessidade de modificar o modelo de vida imposto ao ocidente americanizado sob o impulso do pensamento empresarial: competitividade cruel, stress existencial, prevalência da esfera racional sobre a esfera emocional. 
 
Pergunta: Sabemos que todos estamos, de um modo ou de outro, descontentes com o modo de vida que levamos, o que nos leva a filosofar sobre alternativas sonhadas. O sucesso de suas idéias não poderia ser atribuído justamente ao fato de poder ser tomado como algo intangível pelas pessoas, algo irrealizável ? 
 
Domenico De Masi: Espero que não. 
 
Pergunta: O senhor disse que gostaria de alimentar seus dias de ócio criativo no Brasil. Como isto seria possível num país que, apesar de sua dança, oralidade, alegria e sensualidade, é extremamente injusto socialmente ? 
 
Domenico De Masi: Diz Oscar Niemeyer, isto é, o maior arquiteto vivo: "O que conta não é a arquitetura mas os amigos, a vida e este mundo injusto que devemos modificar". E diz também: "Se eu fosse um homem rico, me envergonharia". Se eu vivesse no Brasil, procuraria imitar Oscar Niemeyer. 
 
Pergunta: A natureza das empresas hoje é bem diferente daquilo que o senhor imagina como sendo ideal. O senhor acredita que mudanças drásticas precisariam ser feitas em todo o sistema produtivo para poder abraçar uma nova forma de trabalho? 
 
Domenico De Masi: Não. Podem começar também em empresas individuais. Quando uma empresa inaugura um modelo organizacional baseado em minhas idéias, ganha muito mais e os seus trabalhadores são muito mais felizes. 
 
Pergunta: Como o senhor vê a contribuição da Internet e de uma sociedade voltada para o virtual na concretização de suas idéias ? 
 
Domenico De Masi: A Internet é uma oportunidade maravilhosa. Estou feliz em viver em um mundo onde existe a Internet. 
 
Pergunta: Que conselho o senhor daria a um empresário que quer redesenhar sua empresa levando em consideração suas idéias ? 
 
Domenico De Masi: Que venha para a Itália, para minha escola, e fique conosco todo o tempo necessário para projetar uma empresa feliz. 
 
Pergunta: Na relação de trabalho, o senhor acha que o Estado deve ajudar a direcionar para o ideal ou simplesmente tirar sua mão do processo e deixar que ele aconteça naturalmente ? 
 
Domenico De Masi: No contexto humano, nada acontece naturalmente: tudo é fruto da inteligência, da programação e da vontade das pessoas. Só o liberalismo crê que o mercado resolve "naturalmente" todos os problemas. 
 
Pergunta: Quanto mais a sua teoria é debatida mais empresas surgem com conceitos duvidosos: desenvolvem uma nova visão da escravidão onde o chicote é um sistema interno de comunicação terrorista que apregoa o trabalho e a servidão como único bálsamo para o desenvolvimento profissional. Gostaríamos que o senhor comentasse esta questão e dissesse quanto tempo vai demorar para estas empresas perceberem o equívoco. 
 
Domenico De Masi: Muitos seres humanos são masoquistas. Depois se tornam sádicos. Depois se tornam sadomasoquistas. Não sei se ou quando as minhas idéias triunfarão. O meu dever é difundi-las e agir tenazmente para que se firmem o mais rápido possível. 
 
Pergunta: Quando o homem vai usar a tecnologia favoravelmente a um estilo de vida enriquecedor? 
 
Domenico De Masi: Ricos economicamente? Hoje já é usada com esta finalidade. Ricos humanamente? Quando substituirmos uma sociedade competitiva por uma sociedade solidária. 
 
Pergunta: É possível humanizar o capitalismo ? 
 
Domenico De Masi: O capitalismo é baseado no egoísmo e na competitividade: isto é, sobre premissas brutais, não humanas. Portanto é impossível humanizá-lo. 
 
Pergunta: A nanotecnologia prevê um futuro sem fome, doenças, velhice e trabalho. O natural seria estar desempregado e fertilizando uma sociedade efetivamente criativa e ociosa. Mas como somos impulsionados pelas ambições pessoais de TER e não de SER, esta mudança de foco drástica não seria pura utopia, relegando a nanotecnologia a categoria de não compatível com a espécie humana? 
 
Domenico De Masi: A espécie humana sempre combate a sua incansável luta contra a morte, a dor, a miséria, o cansaço. Um bilhão de pessoas já conseguiu vencer esta batalha contra a dor, a miséria e o cansaço. Resta a morte, mesmo se vivemos o dobro de nossos bisavós. 
 
Pergunta: Como o senhor sente o ócio contemplativo, o ócio pelo ócio, o simples prazer de contemplar a vida ? 
 
Domenico De Masi: Eu não gosto do ócio puro: depois de um pouco de tempo, me aborrece. Eu gosto do ócio "criativo": isto é, a síntese do trabalho, do estudo e da diversão. O ócio criativo nunca me aborrece. Nem mesmo se tenho que responder a 22 perguntas.  
 
Fonte: www.mariopersona.com.br 

Última atualização em Qui, 12 de Novembro de 2009 13:49
 
« InícioAnterior12PróximoFim »

Página 2 de 2

Fornecido por Joomla!. Designed by: Free Joomla 1.5 Theme, ecommerce hosting. Valid XHTML and CSS.