Wednesday 13th of December 2017

logo

Home Filmes na Visão da Profa FILME O DIABO VESTE PRADA - Gestão autoritária e Ética profissional
FILME O DIABO VESTE PRADA - Gestão autoritária e Ética profissional PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Qua, 21 de Outubro de 2009 00:29

 

O filme O Diabo Veste Prada, dirigido por David Frankel e baseado no livro de Lauren Weisberger, mostra a história de uma jovem jornalista – Andrea. Recém formada em uma das melhores universidades dos Estados Unidos, ela se muda para Nova York em busca do sonho de se tornar uma jornalista reconhecida, trabalhando em uma grande empresa de jornalismo.

Quase por acaso, Andrea acaba indo parar em uma das maiores e mais famosas revistas de moda do mundo – A Run Way. Após distribuir seu currículo em várias empresas, Andrea é convocada para trabalhar na revista e quase não passa pela entrevista com a editora chefe, Miranda Priestly. Mesmo não sendo ligada ao mundo da moda, conseguiu com sua esperteza e aparente talento e competência, impressionar a chefe Miranda, que por sua vez afirmou estar cansada de contratar meninas “lindas, magras e incompetentes...” e decidiu apostar em Andrea.

 

Em seu primeiro dia, antes mesmo de ser contratada, Andy (como Andrea é conhecida) tem uma demonstração de todo o pavor que sua chefe causa em sua equipe. Ao chegar para o trabalho, uma verdadeira “operação de guerra” começa e todos, perfeitamente vestidos (afinal, é o “mundo da moda”), tem que estar perfeitos e garantindo um ambiente com “nada fora do lugar” para a simples chegada de Miranda. O acontecimento leva a crer que a operação se repete todos os dias, mas Andrea acredita que com ela será diferente, afinal ela “ficará apenas por um tempo, até conseguir algo melhor e sair dali”.

No entanto, Andrea, não muito tempo depois, sente-se atraída por esse mundo, o glamour, os valores e o estilo de vida. Até porque ela começa a ouvir que deve agradecer por estar em um lugar onde “milhares de garotas dariam a vida para estar.” Quando começa a mudar por fora (sapatos, bolsas e acessórios da moda), na verdade Andrea começa também a mudar por dentro (substituir amigos e namorado pelo trabalho, valorizar aparência e futilidades que outrora não faziam parte de sua vida.

Andrea cria para si um discurso de que “não poderia ser diferente, ela não tinha escolha.” É muito interessante a ênfase que a autora dá a essa questão. É fato que não se adaptando a uma determinada cultura organizacional, um funcionário teria muito mais dificuldade de realizar seu trabalho ali. Essa falta de adaptação influencia até mesmo em sua qualidade de vida no trabalho. Mas dizer que não há outra opção, na verdade, é criar uma desculpa para não admitir e assumir as próprias escolhas, sejam elas profissionais, pessoais ou éticas.

Ao longo dos dias, Andrea tenta “sobreviver” ao seu trabalho, no início tentando responder ao que era solicitado. Tudo era corrido, em cima da hora, aparentemente sem planejamento, e Miranda era extremamente exigente e cercada de caprichos e vontades. Como se fosse uma chefe mimada... Afinal, quem deixaria de obedecer a alguém tão ameaçador, grosseiro e autoritário.

Entretanto, onde parece não haver planejamento, na verdade, cria-se um ambiente autocrático, onde a autoridade absoluta pertence ao chefe, que não aceita jamais ser questionado, não admite pessoas questionadoras, mas surpreende-se quando Andrea consegue se superar e ter iniciativa e proatividade na resolução dos problemas.

Qual chefe ou organização não admira essa característica em seus funcionários? Pessoas que começam a respirar o ar da organização e “vestir a camisa” de tal forma que começam a antever os problemas e chegar a soluções. Andrea evoluiu tanto nesse sentido a ponto de ouvir de sua chefe que “Você consegue fazer tudo.” E realmente a jornalista começou a “ “correr contra o tempo” e atender a qualquer pedido de Miranda Priestly. A ponto de associar-se a outro jornalista que conseguiu atender a um pedido de Miranda para suas filhas (sem ele Andrea jamais conseguiria, mas ela precisou sacrificar uma parte de seus valores para “pagar” esse favorzinho).

Por fim, Miranda “determina” que Andrea a acompanhará a Semana de Moda de Paris. Sendo Andy a segunda assistente, o certo seria que Emily (que decepcionou a chefe com um erro ligado a sua memória) a acompanhasse nessa viagem. Com um detalhe – Emily esperava ansiosamente por esse evento e vivia em função dele. Mais uma vez, Andrea afirma não ter tido opção e aceita acompanhar Miranda no evento de Paris.

Nesse momento tão importante de sua carreira, após envolver-se de maneira ainda mais pessoal com Miranda e preocupar-se com uma conspiração que Andy descobriu para derrubar sua chefe, Andrea aos poucos vai se decepcionando com o mundo da moda – primeiro a conspiração, depois a estratégia de Miranda para não permitir que os planos do proprietário da revista dessem certo. Para que isso ocorresse, ela prejudicou e acabou com um antigo e leal funcionário da revista, amigo também de Andrea.

Para completar sua decepção, Andrea ouve de Miranda uma comparação que a deixa tremendamente preocupada: a afirmação de que “Eu vejo muito de mim em você.” Com essa frase, Andrea percebe o quão próxima ela está de se tornar outra Miranda Priestly e o quão distante ela ficou de seus valores, suas crenças e seus objetivos de vida.

É um filme bem interessante, que demonstra extremos organizacionais que nem sempre enxergamos. Analisando teorias da Administração, Miranda é uma chefe que se baseia na teoria X (Mc Gregor, década de 70), tratando as pessoas sem o mínimo de respeito e acreditando que elas precisam ser ameaçadas para poder produzir com qualidade.

Miranda buscava também aplicar em sua empresa o sistema autoritário coercitivo (segundo Likert), com nenhuma comunicação além de ondens e sem incentivar as relações interpessoais. Na teoria sobre os estilos de liderança, Miranda dá um show na interpretação do líder autocrático, que fixa diretrizes sem participação (nenhuma) do grupo, determinando qual tarefa cada um deve executar e sendo dominadora e pessoal em elogios ou críticas (de preferência essa última, para valorizar o clima de medo das punições e exposições em público).

 

Última atualização em Qua, 05 de Maio de 2010 01:17
 

Fornecido por Joomla!. Designed by: Free Joomla 1.5 Theme, ecommerce hosting. Valid XHTML and CSS.